sábado, 5 de maio de 2018

O GRANDE E NEGRO ZANGÃO...

Podia-lhe chamar Sócrates, mas não!

Pode ver-se o grande zangão
 Pousado na flor da amoreira
E à minha volta o brincalhão
Me quis assustar à sua maneira

Partiu sem deixar rasto
Do dinheiro que nos roubou
Em Paris com belo repasto
À grande e à francesa o gastou.

5 comentários:

  1. Mas, se o gajo fosse parvo,
    com os pés descalços andava
    morava debaixo dum chaparro
    o teu poema tem muita graça!

    Tenhas um bom fim de semana amigo António,
    Um abraço.

    ResponderEliminar
  2. Não há quem consiga esquecer esse melro. Abotoou-se com os milhões, vive à grande e ninguém percebe como paga as suas contas.
    Muito estranho!!!

    ResponderEliminar
  3. Uma triste realidade que infelizmente a justiça tem dificuldade em fazer justiça.
    Um abraço e bom fim-de-semana.

    Andarilhar
    Dedais de Francisco e Idalisa
    Livros-Autografados

    ResponderEliminar
  4. Chamar-lhe parvo e burro é que de certeza absoluta estará fora de contexto...lol
    Passo também a fim de desejar um óptimo fim de semana.

    * AMOR EM ASSIMETRIA *
    .
    Abraço

    ResponderEliminar
  5. Hoje deu-lhe para a poesia.
    Abraço e bom fds

    ResponderEliminar