NATAL ILUMINADO DE ALEGRIA PARA TODOS!

NATAL ILUMINADO DE ALEGRIA PARA TODOS!

quarta-feira, 27 de maio de 2015

O FUTURO É AGORA...

O futuro é agora

Eu vi a história de outra forma: Pedro Mota Soares, ministro da Segurança Social, não desmentiu Maria Luís Albuquerque, ministra das Finanças, depois desta ter admitido a possibilidade de o Governo cortar nas atuais pensões. Quando muito, ficou aborrecido por ter conhecido por uma colega a estratégia do Governo para a área que ele tutela. E nem sequer fiquei impressionado com a tentativa da própria Maria Luís de corrigir o tiro, dois dias depois, envolvendo o PS num negócio que os socialistas já tinham dito ser impossível. Fumaça.

A ministra das Finanças não se descaiu. Comunicou foi em primeira mão ao país aquilo que lhe vai no pensamento. Aquilo que, desconfio, o próprio Mota Soares e a cúpula do Governo acreditam ser uma inevitabilidade: envolver as pensões em pagamento no esforço para tornar sustentável o sistema de Segurança Social. O que se passou depois foram manifestações públicas de aparente embaraço para controlar danos eleitorais. Aliás, convém recordar que, há mais ou menos um ano, Maria Luís Albuquerque e Pedro Mota Soares estiveram de acordo quando aprovaram um corte permanente nas pensões, através da contribuição de sustentabilidade. Medida que só não foi avante porque o Tribunal Constitucional não permitiu.

Propor aos pensionistas mais sacrifícios é tão audaz quão suicida. Então num contexto em que os mais velhos foram chamados a amparar os filhos e os netos, soa até ofensivo. Por isso, tudo o que se diga, tudo o que se queira fazer e tudo o que se faça tem de obedecer aos princípios da seriedade e da honestidade. Não vender ideais românticos de difícil aplicação. Não escolher a estrada mais curta, punindo os que estão mais à mão.

Não há, porém, uma solução milagrosa. Apenas diferentes perspetivas. O PS prefere a via expansionista, convencido de que a criação de empregos e a estabilização de salários alimentam o sistema sem necessidade de massacrar os atuais pensionistas. O desabafo-aviso de Maria Luís Albuquerque parece sugerir que a maioria PSD/PP está mais inclinada para uma solução imediata, que implique cortes nos rendimentos. Mas há outros caminhos: reforçar, como sugere o economista Eugénio Rosa, o combate à fraude e evasão fiscal na Segurança Social, cujas dívidas rondam os 10 mil milhões de euros; ou criar uma solução plural, como admite Bagão Félix, fazendo com que pensionistas, ativos, empresas e cidadãos em geral contribuam.

Agora que entramos na fase pré-eleitoral em que nos violentam com programas de Governo, exige-se, numa matéria tão sensível como esta, que nos expliquem tudo direitinho, sem ceder à tentação de transformar um debate sobre o futuro de todos num confronto entre gerações.

Pedro Ivo Carvalho
Opinião JN 27.05.2015

5 comentários:

  1. Estão de navalha a fiada,
    para nos tirarem as tripas
    mas que grande canalhada
    só sabem dizer mal do Tsipras.

    Para o seu povo mais não empobrecer,
    não quer cortar ordenados nem pensões
    como o governo português pensa fazer
    para encher os seus bolsos de milhões!

    Quem quiser levar mais porrada que vote neles!

    Porrada não, um abraço sim, para ti amigo António.

    ResponderEliminar
  2. Olá, António!

    "Quem conta um conto, acrescenta-lhe um ponto", diz-se e, é inevitavelmente verdade.
    A História é agora, ontem e será, talvez, amanhã, se Deus o permitir.
    Gostei de ler a crónica, que pode ter diversas interpretações, e cada qual pensa da forma k muito bem entender.

    Agradeço a sua visita e comentário no meu blogue. Então, esteve em França, 30 anos. Que experiência e cultura adquiriu! Os meus tios, dois, também lá estiveram e fizeram um bom pé de meia.

    Amar em França, e mais propriamente em Paris, é diferente de amar em qualquer parte do mundo.
    Costumo pôr música francesa no meu blogue, pke gosto imenso daquela tendresse et douceur des mots.

    Beijos para si e família.

    ResponderEliminar
  3. Ok, António. Peço desculpa! Mas, em seis anos, já se criam algumas raízes. Reli, agora, o seu comentário e, de facto, o número 30 existe lá, mas, é trinta anos depois, reencontrou a sua canção preferida, nossa, de todos, penso, aliás.
    É impossível ficarmos indiferentes a tanta beleza e harmonia.

    Beijinhos para todos.

    ResponderEliminar
  4. Nem é preciso dizer mais nada, porque o amigo Eduardo já disse tudo!
    xx

    ResponderEliminar
  5. Amigo Eduardo,votar nos que estao é uma doidice e faze-lo nos que là estiveram é continuar na mesma.Pois: esquerda e direita mesmo combate, roubar aos pobres para eles encherem a mula.
    Voce como um tipo d'uma certa experiencia e como a maior parte dos Alentejamos do P.C.P.convença O CAMARADA Jeronimo a fazer uma coligaçao com os extremos de esquerda.
    Até à proxima e um abraçao a todos ! ...

    DA CRUZ

    ResponderEliminar