NATAL ILUMINADO DE ALEGRIA PARA TODOS!

NATAL ILUMINADO DE ALEGRIA PARA TODOS!

sexta-feira, 5 de abril de 2013

ATAQUE DA RENAMO, MOÇAMBIQUE...



Posto Administrativo de Muxúnguè viveu momentos de terror.
Tal como avançámos na nossa edição de ontem, a zona centro do país está a conhecer uma radicalização de posições. Em consequência, forças de defesa e segurança enfrentaram os homens da Renamo. morreram cinco pessoas: quatro da FIR e um da Renamo.

“Se continuar a prevalecer a tendência da absolutização dos partidos políticos e o culto da personalidade dos próprios dirigentes, não será garantida a paz em Moçambique”.  Estas palavras parecem ter sido escritas ontem em jeito de reacção ao cenário de guerra aberta entre as forças de defesa e segurança e elementos da Renamo no posto administrativo de Muxúnguè, na província de Sofala. O facto é que as mesmas vem contidas na Carta Pastoral dos Bispos Católicos, datada de 6 de Agosto do ano passado. Aliás, ontem, este jornal alertava para a radicalização de posições entre a Renamo e as forças de defesa e segurança na região centro do país. Em consequência desta radicalização de posições, elementos da Força de Intervenção Rápida invadiram, na quarta-feira, a sede da Renamo no posto administrativo de Muxúnguè, alegadamente com objectivo de dispersar cerca de 250 homens da Renamo que ali se encontravam concentrados.
A PRM alega que os homens da Renamo não se podiam concentrar em grande número naquele espaço partidário sem autorização prévia das autoridades. Ou seja, na óptica da polícia, são proibidas concentrações de membros de partidos nas suas sedes sem autorização prévia das autoridades!
Neste assalto à sede da Renamo, a FIR deteve 15 elementos da Renamo e encarcerou-os no posto policial local.
Pesa sobre os detidos a acusação de desacato às autoridades, alegadamente por se terem recusado a abandonar o local.
Ora, na madrugada de ontem e num claro acto de retaliação e demonstração de força, um grupo não quantificado de homens da Renamo assaltou o posto policial onde se encontravam aquarteladas as Forças de Defesa e Segurança, com especial destaque para elementos da FIR. Tratou-se de um ataque relâmpago, que encontrou totalmente desprevenida a Força de Intervenção Rápida.
Leia mais na edição impressa do «Jornal O País»

5 comentários:

  1. Afinal a Paz se se julgava estar definitivamente implantada em Moçambique ainda não foi desta, esperamos que os Partidos se entendam e acabem com a matança.
    Um abraço
    Virgílio

    ResponderEliminar
  2. Da Renamo, continuam as ataques à população
    Porque os ricos comem tudo
    E os pobres para comer não têm pão
    Com aqui também quem governa é o cabeçudo!

    Por lá deve haver
    Muita pobreza escondida
    Muito bom é de dizer
    Contudo, a fome não ajuda a vida!

    Bom fim de semana e um abraço para tia amigo António.

    ResponderEliminar
  3. Acredito que haja mais fome agora que no tempo em que Moçambique era português... A Renamo não pagou "os refrêscos" e a Frelimo zangou-se... Corrupção é mato!

    ResponderEliminar
  4. Já era tempo de aquela cambada de políticos oportunistas que tomaram Moçambique de assalto mudasse o nome dos Grupos de Libertação para nomes de partidos.
    Todos sabemos que a Frelimo é o PCM (partido Comunista de Moçambique). Porque não sw assumem?
    E a Renamo é o quê? Partido Social Democrata? Também seria bom que o Afonso Dlakahma se definisse, pois ser apenas do contra não é lá grande política.

    ResponderEliminar
  5. o meu apelo vai aos partidos politicos.... o dialogo deve ser a solucao de todos os nossos problemas.... vamos cultivar a cultura de paz

    ResponderEliminar