NATAL ILUMINADO DE ALEGRIA PARA TODOS!

NATAL ILUMINADO DE ALEGRIA PARA TODOS!

domingo, 3 de fevereiro de 2013

O MARINHEIRO...

Os meus filhos da escola, da incorporação de Setembro de 1962, assim como o amigo Moisés, lembraram-se de me enviar uns poemas dedicados ao Marinheiro que espelha na perfeição um ciclo de vida da nossa juventude que nos marcou para a vida inteira, embora de autor desconhecido, aqui ficam registados com o devido valor!



               O MARINHEIRO

                                                       Noutros tempos, quando havia
                                         Navios no "Quadro", amarrados
                                         Por todo o lado se via
                                         Os Marinheiros fardados.

                                         E à noite, pelas vielas
                                         Na cidade, em todo o lado
                                         O Marinheiro ia às tabernas
                                         Ouvir cantar o Fado.

                                          Intendente, Benformoso,
                                          Martim Moniz, "Campainhas"
                                          O Fado, mulheres e copos
                                          E os rapazes da Marinha.

                                          O Marinheiro percorria
                                          Toda essa velha Lisboa
                                          Bairro Alto, Mouraria
                                          Alfama e Madragoa.

                                         Noite alta, regressa ao Lar
                                         Já cansado e sem dinheiro
                                         Rumo à Rua do Arsenal
                                         À "Casa do Marinheiro".

                                         Lenços brancos a acenar
                                         No cais e à despedida
                                         Lá vai para o Além-Mar
                                         É militar, é a sua vida.

                                         Esses briosos rapazes
                                         Na Farda faziam gala
                                         A Manta de Seda, o Alcache
                                         Já ninguém vê, ninguém fala.



                                                                                                  
 Autor: Desconhecido

10 comentários:

  1. O poema como o vi, estava solteiro,sozinho e sem encanto.Com a foto a acompanhar,ficou mais lindo e completo.´
    Só é pena não ser um marujo PT (aquele boné e alcacha o diz).
    Um abraço Marujo/Fuzo e m. saude.

    ResponderEliminar
  2. Amigo Moisés tem razão, falha minha!
    Só olhei para o marujo a beijar a moça e não para os pormenores da farda, para compensar cá vão dois fuzileiros!
    Obrigado pela atenção!
    Com o meu abraço

    ResponderEliminar
  3. Muito bem, faz lembrar aquela cena no final da 2ª grande guerra, que ainda hoje é célebre, tinha mesmo de ser um Marinheiro (que me desculpem os outros Ramos Militaes) a ficar ha história do beijo.
    Um abraço
    Virgilio

    ResponderEliminar
  4. Na verdade parece sêr um marujo da Àfrica do Sul... Por outro lado já havia tempo que ninguém mencionava "o famoso Campaínhas" que como "o Arrôz Dôce" tiveram um final ingrato, sem fazerem parte dos anais históricos da CML... "igual que as putas de antigamente que eram raparigas simples atenciosas, boas no seu intimo, crentes em Deus e acérrimas defensoras da moralidade. As de hoje são uns estopores mecanizados que só pensam em facturar."... (assim falou o famoso Vilhena e dôu-lhe toda a razão)... Gostei do Poema.

    ResponderEliminar
  5. Assim até me sinto personagem de um filme famoso visto por milhares de espectadores!
    Like!

    ResponderEliminar
  6. Uma pergunta... quem são os fuzos que arranjaste para enfeitar o post?
    São identificáveis ou anónimos?

    ResponderEliminar
  7. Eu não conheço estes fuzos, só sei que vieram à minha Figueira apalpar os figos e foram-se embora!-:)

    ResponderEliminar
  8. Camaradas.O cordão que ilustra a foto, nos dois militares que abaixo se referem,não quer dizer que tenham sido fuzos,apenas indica e há a certeza, que estiveram numa unidade de fuzileiros.É isto o que o cordão significa.Foi assim que me ensinaram na escola de fuzileiros.Se porventura estou errado, ou se as leis dos fuzileiros mudaram,então espero que alguem me retifique.
    Um abraço

    ResponderEliminar
  9. O Laranjeira tem toda a razão... Na minha opinião são recrutas em dia de licença na Rua Augusta.

    ResponderEliminar
  10. Marinheiro com sorte
    Foi à guerra e voltou
    Em Moçambique, no norte
    No Lago Niaasa se banhou!

    Em Lourenço Marques encontrou
    Atraentes gaivotas
    Nas asas delas voou
    Sobres as verdes alcachofras!

    Castanhas e morenas
    Brancas o mulatas
    Cuecas com rendas
    E algumas peladas!

    Havia marmelada
    Sem marmelos
    Muita canalhada
    Armada com cutelos!

    Marinheiro
    No mar ou na terra
    É sempre o primeiro
    A pegar na gamela!

    Boa noite para ti,
    amigo António.

    ResponderEliminar