NATAL ILUMINADO DE ALEGRIA PARA TODOS!

NATAL ILUMINADO DE ALEGRIA PARA TODOS!

quinta-feira, 6 de setembro de 2012

MAIS UMA PARA OS COMPADRES!


Um alentejano morreu e foi parar ao Inferno. Apresenta-se diante do diabo, vestido a rigor, com o capote abotoado até à última casa. O diabo, olhando para ele, começou a rir e mandou-o para o nível 1. O calor era asfixiante, as pessoas despiam-se, a suar por todos os poros. O alentejano manteve-se impávido e sereno, de mãos nos bolsos da samarra. O diabo achou aquilo muito estranho e mandou-o para o nível 2. Aqui toda a gente estava completamente nua, a cair pelos cantos. O calor era insuportável.
O alentejano, impávido e sereno, de mãos nos bolsos, não tugia nem mugia. 
Aí, o diabo perdeu a paciência e mandou-o para o nível 3. O calor era abrasador, a maior parte das pessoas estorricava.
Então, o alentejano, finalmente, tira as mãos dos bolsos, desabotoa a primeira casa do capote e diz: "Porra, se isto aqui está assim, imagino o calor que nã estará em Beja!".

7 comentários:

  1. Alentejo é fogo!!!!!

    Deixo um abraço :)

    Sónia

    ResponderEliminar
  2. Consta que o diabo já não manda nada no inferno, por aqui é voz corrente que quem mais ordena e tem aliás as chaves do "inferno a que isto chegou", é aquele rapaz de Massamá, que faz tudo ao contrário do que prometeu, e se está a tornar pior que o seu antecessor diabo, ou lá como se chama.
    Um abraço
    Virgilio

    ResponderEliminar
  3. Sabes porque é que se chama Figueira da Foz?
    Porque na foz do Rio Mondego havia uma figueira
    No tempo dos Visigodos
    Alanos, Vândalos e Suevos
    Com promessas e enganos
    Venceram os políticos-vândalos
    E proclamaram a república dos tesos!

    O coitado do Alentejano
    Não tugia nem mugia
    Terá sido do diabo engano
    O que protege do frio, do calor o protegia!

    Se no Inferno era assim
    Seria ainda pior lá em Beja
    De quem não sabe triste fim
    Que de ninguém se tenha inveja!

    Na foz uma figueira
    No pomar o marmeleiro
    A amora da amoreira
    Tu bem sabes ex-fuzileiro!

    O alentejano não queiras seguir
    Como fez o cabo da GNR que se montou no padre
    A caminhar para o céu sempre a subir
    Batem à porta de S. Pedro, e este pergunta quem é
    Respondeu o cabo prontamente GNR a cavalo
    S. Pedro disse, para entrara o cavaleiro e a besta fica lá fora!

    Boa quinta-feira para ti, amigo António.
    Um abraço
    Eduardo.



    ResponderEliminar
  4. Que legal ler seus textos, a gente gosta
    ri e se diverte com eles, vc é um amigo
    maravilhoso
    Bjuss de boa tarde
    Rita!!!

    ResponderEliminar
  5. Com o calor que aguentei hoje, esta do inferno veio mesmo a talhe de foice.
    Ah ganda alentejano!!!!!!

    ResponderEliminar
  6. Venho aqui à Figueira para a resposta te dar.
    Dois poetas adormecidos
    Que estou tentando acordar
    Um figueirense, o outro poveiro, bons amigos
    Um do careca chateado falar

    O outro falar do convívio.
    Já marquei o meu lugar
    Para convencer o Virgílio
    Me lembrei que tenho o IMI para pagar!

    Se animem, não desmereçam
    Que a vida são dois dias
    Estejam acordados não adormeçam
    Caminhem pelas avenidas!

    Boa sexta-feira para ti, amigo António.

    Já tenho companheiros
    Para comigo poetar
    São os ex-fuzileiros
    Da guerra do Ultramar!

    ResponderEliminar
  7. Uma das grandes bênções da vida
    é a experiência que os anos vividos nos concebem.
    Aniversariar é uma amostra das oportunidades que temos de aprender a contar os nossos dias.
    mais uma janela e abre diante dos meus olhos,
    mais um espinho foi retirado da flor,
    restando somente a beleza de tão bela data.
    Com fé, na esperança e no empenho por ser melhor a cada dia.
    Seguindo pelos caminhos da verdade e do amor.
    Um dia encontrarei o mais belo jardim, o jardim que representará a realização
    dos meus maiores sonhos.
    Com saudades .
    desejo um feliz final de semana
    venha curtir meu aniversário.
    Beijos na sua Alma,Evanir.


    Saudades da Figueira minha.

    ResponderEliminar