NATAL ILUMINADO DE ALEGRIA PARA TODOS!

NATAL ILUMINADO DE ALEGRIA PARA TODOS!

quinta-feira, 9 de fevereiro de 2012

AMASIA O NOVO SUPERCONTINENTE

371132_continentes.jpgSupercontinente Amásia deverá formar-se junto ao Pólo Norte
09.02.2012
Helena Geraldes
O planeta terá um novo supercontinente dentro de 50 a 200 milhões de anos. Amásia resultará da junção da América e da Ásia junto ao oceano árctico, estimam geólogos da Universidade de Yale num artigo publicado nesta quinta-feira na revistaNature.
Dentro de 50 a 200 milhões de anos, os actuais continentes do planeta serão empurrados para uma massa de terra única, em redor do Pólo Norte, escrevem os investigadores que propõem um modelo dos movimentos lentos dos continentes nas próximas dezenas de milhar de anos. (Descarregue o estudo, em PDF)

“Primeiro deverão fundir-se as Américas e depois irão migrar para Norte, colidindo com a Europa e a Ásia mais ou menos onde hoje existe o Pólo Norte”, disse Ross N. Mitchell, geólogo da Universidade de Yale e principal autor do estudo, na revistaNature. “A Austrália deverá continuar a mover-se para Norte e fixar-se perto da Índia” e o oceano Árctico e o Mar das Caraíbas desaparecerão.

A última vez que a Terra assistiu ao nascimento de um supercontinente foi há 300 milhões de anos, quando todas as massas terrestres se fundiram no equador, dando origem à Pangeia, situada onde hoje está a África ocidental.

Depois de estudar a geologia das cadeias montanhosas em todo o mundo, os geólogos têm assumido que o próximo supercontinente se irá formar no mesmo local da Pangeia. Mas Ross N. Mitchell, geólogo da Universidade de Yale, e os seus colegas têm uma ideia diferente: a Amásia deverá formar-se no Árctico, a 90 graus do centro geográfico do supercontinente anterior, a Pangeia. Os geólogos chegaram a esta conclusão depois de analisar o magnetismo de rochas antigas para determinar as suas localizações no globo terrestre ao longo do tempo. Além disso mediram como a camada directamente abaixo da crosta terrestre, o manto, move os continentes que “flutuam” à sua superfície.

“A forma como os continentes se movem tem implicações para a biologia – por exemplo, pode afectar os padrões da dispersão das espécies – e para as dinâmicas no interior da Terra”, disse um dos autores do estudo, Taylor M. Kilian, da Universidade de Yale, em comunicado no site desta instituição.

“Compreender a disposição das massas dos continentes é fundamental para compreendermos a história da Terra”, disse Peter Cawood, geólogo na universidade britânica de St Andrews, citado pela revista Nature. “As rochas são a nossa janela para a história.”

O geólogo David Rothery da Open University, em Milton Keynes, no Sul da Inglaterra, disse à BBC que não está preocupado com o choque de continentes. “Podemos compreender melhor o Ambiente da Terra no passado se soubermos exactamente onde estavam os continentes”, disse. “Não me interessa se os continentes vão convergir no Pólo Norte ou se a Inglaterra vai colidir com a América num futuro longínquo. Prever o futuro tem muito menos importância do que saber o que aconteceu no passado.”                     PÚBLICO

2 comentários:

  1. Se tiverem razão, tenho tempo de me preparar para enfrentar o frio do Pólo Norte, quando numa outra vida, lá nascer!

    ResponderEliminar
  2. Estou subindo à figueira
    Para ver esse continente
    De António Querido, brincadeira
    Pretende enganar toda a gente?

    Nas suas investigações,
    Algumas coisas vai descobrindo
    Conquistando corações
    Cada vez mais conseguindo!

    Pensa que quando morrer?
    Vai residir para o pólo Norte
    Não acredito que possa acontecer
    Um homem sobreviver depois da morte!

    Se fores primeiro, informa como é aquilo por lá. Se vale a penas marcas as passagens!
    Estava a pensar viajar de TVG?,

    Uma boa tarde para ti, amigo António.

    ResponderEliminar