NATAL ILUMINADO DE ALEGRIA PARA TODOS!

NATAL ILUMINADO DE ALEGRIA PARA TODOS!

terça-feira, 7 de julho de 2015

A REDACÇÃO DA VACA A BOMBAR...

A redacção da vaca a bombar

Para não estar sempre a dizer mal, aqui fica a redacção da vaca, actualizada para os dados deste País sempre a "bombar".

A vaca, perdão Portugal, é um bonito país. Tem sol e mar, areias, velhos monumentos, bons costumes, eucaliptos, pastéis de Belém, e tuk tuks. Em Portugal, as plantas crescem para cima, mas se for preciso, com a força de vontade dos portugueses, também crescem para baixo. Nós podemos sempre fazer o que queremos, diz o ministro do "bombar". É só força de vontade, que para os portugueses não há dificuldades. Não somos gregos. Mas eu queria isto… Não pode ser, temos de ser prudentes. Sábio Governo. Mas eu tenho direito a isto… Não pode ser. Isso dos direitos já não se usa. Tinha, mas já não tem. Isto é que é um Governo moderno despachado, desenvolto, atirado para a frente, que deu bom nome à lei da selva. Obrigado, vaca, digo, Governo.

Para o sol chegar a mais lados, deixou de haver árvores a não ser eucaliptos, que cheiram bem. Na parte de trás do País, aquilo que se chama interior, há uma doença, a interioridade, mas não afecta as costas, por isso podem ir à praia à vontade. Também não vive lá muita gente. A sábia política do nosso Governo tem sido despovoá-lo, acabando com a política retrógrada dos arcaicos e velhos Reis portugueses. Antes ser "povoador" era uma honra, hoje é ser "despovoador". A vaca, digo, o Governo, tem feito uma política muito competente para despovoar. Acabaram as estações dos correios e o correio só aparece uma ou duas vezes por semana. Acabaram os postos de saúde. Acabaram os tribunais. Acabaram muitos serviços públicos, existem umas lojas de cidadãos a 30, 50, 100 quilómetros. Reanimou-se a oferta de táxis para estas deslocações, e, além disso, vir de Guadramil para Bragança, dá muito cosmopolitismo, os velhos sempre saem de casa para ver o mundo. Isto é que são preocupações sociais. Nenhum louco abre uma empresa nestes sítios. Não há problemas pode vir para um "ninho de empresas" num centro comercial em Lisboa, recebe uns subsídios do Impulso Jovem e, depois, é só mostrar o seu "empreendedorismo" e inventar o moto -contínuo. As leis da Física dizem que é impossível, mas desde quando é que a entropia foi um problema para os portugueses?

Depois, é um gosto passear pelas cidades de Portugal, a começar por Lisboa. Tantos cartazes de "vendido", na Assembleia, nas paragens de autocarro, nas estações de Metro, nas caixas da EDP! Isto é que é reanimação da economia para acabar com as profecias dos Velhos do Restelo. Tudo se vende e é bom seguir o exemplo da Remax. Sempre podiam colocar a fotografia do vendedor, que tanto prédio, comboio, autocarro, linha eléctrica, barragem, aeroporto, porto, vende! Lá teríamos de novo a vaca, corrijo, os senhores ministros a sorrir babados de sucesso.


Essa banda de maus portugueses, a chamada "oposição", anda para aí a distribuir fotografias caluniosas da vaca, em que apenas um mamilo de uma teta escorre para o balde colectivo do povo e o resto vai em tubinhos da ordenhadora não se sabe bem para onde. Eles dizem que sabem, mas é calúnia de certeza. A vaca é boa, a vaca é úbere, a vaca tem as cores nacionais na lapela, a vaca ri, como diz o nosso Presidente da República, e uma marca francesa de queijos, de tanta felicidade. Ser portuguesa!

Mas está tudo tão bem que até dói. Pleno emprego em 2300, não está mau. IRS a 4%, em 2500, e só não se acaba com ele por prudência. Sábio Governo, de novo, que não quer prescindir de nenhum "instrumento", para poder continuar a fazer da nossa vida "um exercício". Bebés já há muitos desde que o nosso preclaro Governo, seguindo as mais modernas tendências do "admirável mundo novo", cultiva embriões in vitro e faz nascer as crianças numa proveta com líquido amniótico. As quotas são correctas: em cada 10, seis são brancas, três pretas, meia criança amarela e outra meia para o resto das raças. Os ciganos protestam porque só há 1% de criança cigana, ou seja não nasce nenhuma, mas isso é povo do RSI, não deviam ter direito à palavra. A vaca é que sabe. São excelentes notícias para a emancipação feminina, acabamos com a maldição de Eva. Depois de saírem da proveta as crianças vão ser educadas por hipnopedia, para não terem trabalho a estudar e poderem ser "jotas" mais cedo sem terem a preocupação de disfarçarem uns diplomas manhosos. Agora o diploma tira-se a dormir em 60 noites e não há mais "casos" nem Sócrates, nem Relvas. Os velhos vão ser reeducados para morrer mais cedo e não pesarem nas gerações futuras.

Na Europa já se diz que o século XXI é o "século português" tão admirada é a vaca, digo, o nosso belo país. Os turistas chegam cá e gritam de excitação "what a beautiful cow, I’m sorry, what a beautiful country". Os mais letrados acrescentam "Is this Utopia?" Não tenham dúvidas. A água é sempre cristalina. O céu sem nuvens. As ruas limpas. A segurança alimentar impecável, ou seja, não lhe vão dar a comer um qualquer ciclóstomo pré -histórico. Os animais são respeitados religiosamente, com excepção dos gatos pretos que representam o demónio e os demónios, como se sabe, governam a Grécia. Pode andar nas ruas sossegado às 3h da manhã que a nossa vaca, mais um engano, as nossas autoridades, colocam um batalhão de comandos à volta. E só não há trabalho porque não é preciso trabalhar para nos dedicarmos à cultura gastronómica muito em moda nestes dias. Ou ser costureiros, o que dá uma comenda rapidamente.

Tudo é bom, tudo é deles e nada é nosso. É uma forma de comunismo dos cidadãos esclarecidos que acreditam nas virtudes purgantes da pobreza. Razão tinha esse percursor do nosso futuro, António de Oliveira Salazar. Pobres mas honrados. E muito limpinhos, na casa dos pobres. Sem bens somos mais felizes, desprovidos das tentações do mundo, vemos a vaca como ela deve ser vista, radiosa, cheia, opulenta, pujante, brilhando no escuro de tanta felicidade que dela emana, sempre a bombar.
Vejam lá se eu não sou capaz de dizer bem da vaca. Vá lá convidem-me para o Governo, bem mereço.

Pacheco Pereira
Opinião Sábado 03.07.2015

7 comentários:

  1. Governo sábio, nação valente,
    serve o leite dessa vaca a bombar
    para sustentar mafiosa gente
    que não se cansa de falso apregoar.

    Promete o que não tem,
    para os iludidos enganar
    isso é bem feito também
    para aprenderem a votar.

    Não tenho pena, não,
    de quem por gosto corre
    o que o rico dá com uma mão
    com as duas rouba ao pobre!

    Por isso é que eles têm muito,
    o pobre cada vez menos tem
    alastra a pobreza em todo mundo
    neste país há luxo em Belém!

    Enquanto o vento soprar,
    podes sonhar à vontade
    aí beirinha do mar
    tenhas uma boa tarde.

    Um abraço.

    ResponderEliminar
  2. FANTASMA DO MAYOMBE7 de julho de 2015 às 19:59

    Caro António Querido:
    Sendo o "meu amigo" apreciador de boas pomadas, aqui fica o convite, para amanhã , degustar um precioso néctar: Barca Velha 1985.
    Muito me honraria, a sua presença e opinião.

    Melhores cumprimentos

    P.S. (post scriptum) :
    Favor confirmar até às 00.00 horas.



    ResponderEliminar
  3. Olá, o Fantasma anda pela Figueira?
    Quanto à vaca, o Pacheco Pereira sabe bem do que fala, é da família!

    ResponderEliminar
  4. O Fantasma, obviamente não está na Figueira.
    Não se envia convite, para reunião em casa do convidado.
    Correcto e afirmativo ?
    Encontro-me na base habitual, ou seja, a Antiga, Mui Nobre, Sempre Leal e Invicta Cidade do Porto.

    O SENHOR António Querido, não acusou o convite em tempo, e perdeu a oportunidade, de matar dois coelhos de uma cajadada só.
    1. Degustar o Barca Velha ( e não só).
    2. Assistir ao Campeonato Europeu de Vela.

    ResponderEliminar
  5. Sinto-me honrado com convites desta natureza mas, degustei o Barca Velha sozinho já que no aeroporto não vi nenhum cartaz com o nome fantasma, vi passar algumas mas não lhe podia tocar.

    Aqui na Figueira, só as vejo na praia à noite mas têm sempre alguém por cima!

    Gosto deste, (SENHOR António Querido), os 73 merecem respeitinho, (FUZO UMA VEZ, FUZO PARA SEMPRE).

    ResponderEliminar
  6. FANTASMA & COMPANHIA8 de julho de 2015 às 12:49

    Olha lá, ó António Fuzo.
    Falas na pista de lodo, mas nem a pista alcatifada fazes.
    Operacionais da cagança, não faltam por aí.
    Está aqui um FUZO a perguntar:
    Qual era o teu DFE ?

    ResponderEliminar
  7. O autor do texto o Dr., Pacheco Pereira é como a canção do António Variações, ou seja, só está bem, onde não está.

    Fique bem!

    ResponderEliminar