NATAL ILUMINADO DE ALEGRIA PARA TODOS!

NATAL ILUMINADO DE ALEGRIA PARA TODOS!

sábado, 23 de novembro de 2013

ERA UMA VEZ...

Uma avozinha, que para se aquecer no inverno se deslocava ao pinhal, carregava a lenha para cozer as batatas que iria comer ao almoço e a sopa que sobrava para o jantar, a seguir vieram os ricos, que iam à pastelaria tomar o pequeno-almoço, iam ao restaurante almoçar, passeavam até ao fim do dia e iam jantar com os amigos, à noite ligavam o aquecimento central, era só carregar no botão, depois começaram a aparecer os lobos esfomeados fazendo pequenos desvios de milhões que, por serem desvios não havia condenações e mais recentemente...

Aparecem os Papa-reformas mais modernos que, mesmo contrariados nos vão meter a limpar matas e trazer a lenha para cozer as batatas e nos aquecermos no inverno!
É a roda dos tempos que gira sem parar.

4 comentários:

  1. A cada avanço, um novo retrocesso...

    Vim até à Figueira, ouvir o conta da velha, e de caminho, deixar um abraço quentinho, para aquecer a miséria. :))

    Bom fim de semana, António!

    ResponderEliminar
  2. Vestido de papa, não católico!
    Mas sim de para pensões
    Inventador do reformatório
    Comandante dos ladrões.

    Vigarista esgazeado
    Para atingir os fins não olha a meios
    Pela destruição apaixonado
    Às expensas dos dinheiros alheios
    Vive luxuosamente desafogado!

    Vais coelho ficar
    Com o rabo entalado
    Já te estão a avisar
    Aldrabão tem cuidado!

    Bom fim de semana para ti amigo António,
    um abraço
    Eduardo.

    ResponderEliminar
  3. Está muito bem retratada a situação que estamos a viver, e os papões que nos fizeram chegar aqui, só há um pequeno senão, quando referes que vamos apanhar lenha para nos aquecer, é que nem isso já existe, os incêndios fizeram o favor de limpar as nossas matas.
    Um abraço
    Virgílio

    ResponderEliminar
  4. Parece que vou regressar à minha infância e voltar a trepar aos pinheiros e arrastar lenha para casa para acender a lareira.
    Só não gostava nada era da fumaça que fazia arder os olhos e correr as lágrimas.
    Será?

    ResponderEliminar