NATAL ILUMINADO DE ALEGRIA PARA TODOS!

NATAL ILUMINADO DE ALEGRIA PARA TODOS!

terça-feira, 7 de agosto de 2012

MAIS UMA, PARA SER COPIADA!



Português enfrenta deportação por ter roubado gelado durante motins de 2011 no Reino Unido

Um português que roubou um gelado durante os motins do verão passado no Reino Unido foi condenado a 16 meses de prisão e pode agora ser deportado e impedido de entrar no país durante 10 anos, noticiou hoje o Independent.
O caso de Anderson Fernandes, escreve o jornal, alertou a opinião pública para a severidade das penas a que foram condenadas as pessoas envolvidas nos distúrbios que no verão passado varreram o Reino Unido.

Segundo a notícia, Anderson Fernandes, de 22 anos, arrisca-se agora a ser deportado para Portugal, onde não tem família e onde viveu apenas um par de anos enquanto criança, depois de sair de Angola, onde nasceu.

Tudo porque em agosto do ano passado, nos primeiros dias dos motins em Manchester, entrou numa pastelaria pilhada e serviu-se de um cone com duas bolas de gelado. Não gostou do sabor a café e entregou o gelado a uma mulher no exterior da loja.

Dias depois admitiu o roubo, quando a polícia lhe disse ter encontrado o seu ADN num cigarro no interior da pastelaria. A acusação disse que, a certo momento, o português considerou distribuir gelados às pessoas que se encontravam à volta do estabelecimento durante os distúrbios.

Anderson Fernandes, que nunca tinha estado na prisão, foi condenado a 16 meses de prisão depois de o juiz distrital Jonathan Taaffe ter dito que tinha “o dever público de lidar de forma rápida e severa com assuntos daquela natureza”.

Agora, perante a hipótese de deportação, Fernandes disse que está a ser punido duas vezes: “Nunca tinha estado na prisão. Pensei que teria de cumprir serviço comunitário ou que ficaria com pulseira eletrónica. Eu não destruí a loja nem parti nada”, disse.

O português contou que o episódio ocorreu depois de sair do tribunal, onde estava a ser acusado por um caso não relacionado: “Entrei na loja porque as luzes estavam acesas e a porta aberta. Entrei para comprar qualquer coisa. Mas quando estava lá dentro percebi que não havia ninguém na loja, por isso servi-me na máquina dos gelados, tirei um gelado e saí”.

“Quando cheguei cá fora comecei a comer, mas era de café e decidi deitá-lo fora. Uma rapariga que estava perto disse ‘se não gostas, dá-mo’. Então fui até à paragem do autocarro e fui para casa”, acrescentou.

Anderson Fernandes, que vive no Reino Unido com a família desde os 13 anos, vai agora recorrer da decisão de deportação.

A sua advogada, Jackie Mason, explicou que Fernandes foi considerado para deportação por ter sido condenado a mais de um ano de prisão, uma pena que considerou desproporcionada relativamente ao crime.

“Ele não esteve envolvido na organização e na manifestação”, disse.

Um porta-voz dos serviços britânicos de fronteiras disse que todos os estrangeiros condenados a penas de pelo menos 12 meses de prisão devem ser considerados para deportação, mas cada caso é depois avaliado individualmente, tendo em conta antecedentes criminais, a gravidade do crime e a existência ou não de familiares no país.

2 comentários:

  1. Por cá também se prende e julga por um gelado ou uma maçã, já os que roubam milhões, esses andam todos por aí gozando á grande e á Francesa.
    Um abraço
    Virgilio

    ResponderEliminar
  2. Português roubou gelado
    Foi condenado
    Se tivesse roubado milhão
    Era louvado
    Roubou gelado vai para a prisão
    Pobre ladrão foi condenado!

    ResponderEliminar